Lei da Palmada – para educar pode?

lei - palmadaSemana passada, mães e pais de todo o Brasil acompanharam a aprovação por unanimidade da Lei da Palmada, na Câmara dos Deputados. E o assunto ainda permanece nas rodas de conversas. Afinal, palmadas são “instrumentos” punitivos ou educativos? Devem ou não ser aplicadas pelos pais e em que ocasiões? Uma lei como esta é, de fato, necessária ou marca somente a intromissão do Estado na vida e decisão das pessoas?

Veja no artigo a seguir as ponderações de Breno Rosostolato, psicólogo e professor da Faculdade Santa Marcelina. E, depois, mande um comentário com a sua opinião sobre o assunto!

“O projetode lei Nº 2654 /2003, da deputada Maria do Rosário, prevê impedir o castigo físico em crianças e adolescentes e está em tramitação no Congresso. A lei já é controversa e polêmica porque suscita discussões e dúvidas entre pais, cuidadores e educadores. Qual o limite para se dar uma palmada? O pai que der uma palmada no filho é criminoso? Existirão delegacias próprias para receber denúncias das crianças? Como será feita a fiscalização?

Não cabe a nós responder tais perguntas. Deixaremos estas questões para nossos parlamentares, mas, enquanto sociedade, devemos discutir a palmada. Considero importante a iniciativa da lei partindo da premissa que a reflexão sobre a violência infantil é o ponto primordial desta lei, uma vez que temos inúmeros casos de maus tratos às crianças.

A palmada não deve ser punitiva e sim educativa, esta reflexão é fundamental para esclarecermos alguns equívocos. A palmada serve para sinalizar à criança a informação mais importante das relações interpessoais, o “não”, informação tão necessária para que não se torne um adulto frustrado e que aprenda a reconhecer a impossibilidade de fazer certas coisas. O ensinamento acontece mediante a associação da palavra com a palmada. A palmada muitas vezes complementa a palavra que não é assimilada pela criança. A palmada com explicação é eficaz, revelando ao filho que existe um não, e assim, instrumento de educação utilizado em momentos pontuais: birra, teimosia, etc. Sou enfático em afirmar que o diálogo deve ser considerado o principal vínculo entre pais e filhos. A palmada não é e não deve ser unânime para se educar uma criança.

A prerrogativa de que uma criança que recebe uma palmada se tornará um adulto violento me parece pouco consistente, pois não conheço criança violenta por causa de uma palmada, mas sim porque era espancada e apanhava violentamente, e é neste ponto que paira a distorção desta lei. Pais que não sabem diferenciar um espancamento de uma palmada devem, no mínimo, repensar sua condição de cuidadores e rever suas condições de orientadores. Além disso, a lei da palmada é insuficiente porque se limita a discutir as violências físicas e ignora as violências verbais e que comprometem emocionalmente da criança. Este tipo de agressão possui efeitos nocivos à constituição da personalidade da criança.

Parece-me evidente a intervenção do Estado Moderno na coparticipação na educação dos filhos com imposições de leis como estas, todavia, a família que deveria ser o cerne das transformações na educação desta criança é desqualificada, diminuindo sua importância e participação. Proibir uma conduta deve implicar em demonstrar outras maneiras de agir e neste aspecto, vivemos a perda da autonomia na família, assim como a maternidade e a paternidade são questionadas e colocadas à prova.

A política de tolerância zero visa transformar a animalidade em humanidade, o que é louvável, mas imediatista no que diz respeito a rediscutir este momento das relações familiares e deste novo momento das crianças e adolescentes. O afeto e o respeito são salvadores, o que de fato estamos perdendo cada vez mais no mundo é não resgatarmos estes sentimentos”.

Leia também –

Filhos X Tarefas domésticas

Não se esqueça: as crianças também gostam de brincar!

 

58 respostas a Lei da Palmada – para educar pode?

  1. Adolfo Scarabicichi disse:

    So n esceevo mais coisa pq senao vai fica muito grande o texto e pq fico triste quando penso nisso

  2. Entendo que o dialogo é o melhor caminho. Mas existem casos em que o dialogo não resolve e a palmada serve como limitador das ações das crianças. Uma palmada nunca matou ninguem. O que não deve ocorrer é o espancamento do ser humano. Este deve ser punido com penas severas. Mas uma palmada entendo Eu que não tem problema, desde que seja para limitar as ações/atitudes dos filhos (EDUCAÇÂO).

  3. Pingback: Respeitando limites e regras | Comportamento

  4. Pingback: Como orientar minha filha de 3 anos que se irrita com a professora? | Coisas de Mãe

  5. Pingback: Mamãe em apuros – “Como acabar com as brigas dos meus filhos???” | Coisas de Mãe

  6. Sou da seguinte opinião, quando a criança é educada pelos pais quando ainda está no colo, não vai ser necessário as palmadas, quando tiverem um pouco maior, ou seja com seus 5 ou 6 aninhos, com essa idade elas já sabem o que é certo e o que é errado, e já devem ter educação, porém se não tiverem com educação com seus 8, 9, 10 anos, devemos cagar de pau e se o governo se intrometer na educação de nossos filhos, podemos dizer que os levem e eduquem, paguem as contas, deem de comer, deem roupas e cuidem deles.
    O que tenho de provérbio para o momento é “Pais responsáveis, filhos mais responsáveis ainda, pais irresponsáveis, filhos mais irresponsáveis ainda”.

  7. Carlos disse:

    Ora pessoal, vocês vivem sendo agredidos!
    O governo lhes multam, lhes taxam de impostos até o nariz, lhes aterrorizando psicologicamente com ameaça de ilegalidade, ameaça de golpe, de censura, de processo, de falência, de desvalorização do seu dinheiro… Lhes espancam os nervos para que vá visitar o psiquiatra mais cedo, e ainda lhes torturam quando aposentado até você cair morto… Abusa e estupra vocês em todas as esferas…
    …e, no entanto, alguns de vocês estão aí todo educadinho, pagando tudo, não reclamando de nada e vivendo o ‘politicamente correto’ que eles adoram.

  8. enio junior disse:

    Com essa lei os filhos vao se achar no direito de denunciar os pais por causa que os pais quis punir o seu filho de algo erredo que fez . Isso e um absurdo por que se o filho nao aprende em casa vai aprender na rua que e pior, eu apanhei muito de meus pais mas mesmo assim eu nao deixo de amar eles porque eu sei que tudo era pro meu bem e pra minha educacao. Cada pessoa sabe como educar seu filho e como punir e ninguem tem o direito de interferir em relacao a isso, espancamento,violencia sexual e muitas outras coisas que a crianca vem sofrendo isso ai ja e outro problema e ja tem lei em relacao a isso ,estamos falando de palmada e nao de espancamento que e o que a sociedade pensa quando fala desse assunto vamos acordar sociedade daqui a pouco vai ter filho contra pai, e sem educaçao as familias do fulturo vao ficar desistruturadas e ai sociedade e isso que voces querem em brasil?
    ]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *