Tire suas dúvidas sobre a cirurgia de retirada da adenóide em crianças

Tire suas dúvidas sobre a cirurgia de retirada da adenóide em criançasCrianças que roncam, abrem a boca para dormir, babam no travesseiro, que têm um sono agitado e rodam de um lado para o outro na cama podem estar com problemas na adenóide. Você sabe o que é isto? Bem, este é um assunto que vem rendendo inúmeros comentários, aqui no nosso site, de mamães preocupadíssimas porque os filhos terão de passar pela cirurgia de retirada deste órgão. Mas, será que tanta aflição é mesmo necessária? Para tranquiliza-las, conversamos com a Dra. Francine G. M. Pádua, médica otorrinolaringologista que esclarece diversas dúvidas sobre ‘crianças X adenóide’. Acompanhe!

- Inúmeras mães nos escrevem com muito medo porque os filhos terão que passar pela cirurgia de retirada da adenóide. Bem, o que é adenóide e por que, em certos casos, deve ser retirada?

Dra. Francine – Adenóide é um órgão linfoide (órgão de defesa) responsável em produzir anticorpos contra as infecções das vias aéreas respiratórias. Localiza-se atrás da cavidade do nariz, e se desenvolve com maior intensidade entre os 2 e os 7 anos aproximadamente. Deve ser retirada por 2 motivos principais:

1. Por fatores obstrutivos: quando se torna muito grande, pode causar sensação de nariz tampado na criança, gerando roncos, e respiração oral;

2. Por fatores infecciosos: mesmo quando não é muito aumentada, pode funcionar como um reservatório crônico de bactérias, gerando infecções de repetição na criança ou infecção crônica, o que faz a criança estar sempre “encatarrada”, ou com tosse crônica.

- Durante a operação, a adenóide é retirada? Quais devem ser os resultados práticos para a criança?

Dra. Francine – A adenóide é removida durante a cirurgia (sob anestesia geral) e na mesma noite os pais já percebem a melhora do sono da criança, uma vez que a mesma estará respirando melhor. O mesmo ocorre em relação às infecções de repetição ou infecções crônicas: as crianças passam a respirar melhor e, portanto, deixam de ter um processo inflamatório no nariz com melhora do catarro.

- A operação é rápida? Como funciona este tipo de procedimento? Após, a criança sente dor?

Dra. Francine – A cirurgia é realizada sob anestesia geral. A criança dorme e não vê e nem sente nada. O procedimento é rápido e dura no máximo 1 hora (contando o tempo de anestesiar a criança, fazer a cirurgia e acordar o paciente). Existem duas técnicas que podem ser utilizadas: a técnica convencional é realizada com curetas que promovem uma “raspagem” das adenóides. Nos últimos anos, o uso do endoscópio e do microdebridador nestas cirurgias vem sendo mais difundido: o médico posiciona uma câmera pela boca da criança de forma a visibilizar toda a adenóide que fica atrás do nariz acima do céu da boca. Com o microdebridador, a adenóide é triturada e aspirada. A vantagem dessa técnica é que todo o procedimento é observado na tela da televisão, de forma que há um grande controle de todo o tecido que está sendo removido, assim como controle das estruturas adjacentes. Independente da técnica, a criança não sente dor.

- Este tipo de operação é comum?

Dra. Francine – Sim, e deve ser feita se o aumento da adenóide estiver causando problemas para a criança.

- Qual a faixa etária mais comum das crianças que são encaminhadas para retirada da adenóide?

Dra. Francine – Entre 3 e 7 anos, aproximadamente. No entanto, existem crianças mais novas que apresentam sintomas e que também devem ser avaliadas pelo médico otorrinolaringologista para ver a necessidade de sua remoção. Da mesma forma, crianças mais velhas também podem apresentar-se com sintomas e devem ser avaliadas.

- Quais os sinais emitidos pela criança que podem indicar algum problema de adenóide para que as mães procurem, então, um otorrino?

Dra. Francine – Crianças que roncam, abrem a boca para dormir, babam no travesseiro, que têm um sono agitado, rodam de um lado para o outro na cama. Além disso, crianças com tosse crônica, que estão sempre com catarro no nariz, com “sinusites” de repetição ou ” sinusite crônica”, que têm que usar antibióticos de repetição também podem ser candidatas para a cirurgia.

 

254 respostas a Tire suas dúvidas sobre a cirurgia de retirada da adenóide em crianças

  1. Rosane Terezinha Dos Santos disse:

    Olá. Há três anos retirei as amígdalas por orientação médica,há um mês fui ao médico e ele percebeu que a cirurgia realizada por outro médico foi mal feita ele não as retirou por inteiro,há doze dias realizei novamente. no 8° dia sangrou muito,fiquei internada e voltei pra casa,com repouso absoluto ,ontem sangrou novamente,voltei ao médico e retornei para casa.O médico que fez a cirurgia e estava viajando aí fui atendida por outo médico(muito bem),hoje meu médico voltou me ligou,estou de repouso,muito gelo e só liquido gelado desde o dia da cirurgia ,estou aguardando que não seja necessário outra cirurgia,mas não esta descartada.

  2. Minha filha tem 7 anos e a dois anos a traz fiquei com medo de mandar tirar essa adenoide a da minha filha e de 6o%cm em cada narina. Ela fica direto com repetições de viroses e nariz sem respirar
    esse ano vamos tirar essa adenoide atrevida. Em nome de JESUS Torçam por nós. A anestesia que da medo.
    ,mas minha filha nem dormi direito , nem cresce, e sofri com remédio,,,meu Deus nos de coragem

  3. Natalie da Silva disse:

    Boa Noite, minha filha fez a cirurgia de retirada da adenoide e REDUÇÃO das amigdalas com 3 anos, porem após 8 meses ela voltou a roncar e está sofrendo para respirar, observamos que as amidalas dela aumentou novamente, levamos ao otorrino que nos disse que é assim mesmo……….mais é muito estranho ela não conseguir respirar e estar com esse aumento enorme das amidalas……………….por favor alguém pode me orientar pois tenho medo que ela fique com a respiração completamente trancada…………

  4. Johnk72 disse:

    Hello to all, the contents existing at this site are in fact remarkable for people knowledge, well, keep up the nice work fellows. egdaeebkdffd

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *